Ideias antigas

Fósseis, árvores, minorias, filhos e outras coisas fora de moda

Minha foto
Nome:

Apenas uma relíquia do Plioceno...

domingo, agosto 21, 2005

Efeito orloff

TODOS OS GRANDES problemas ambientais que assombram a humanidade -- a destruição dos habitats naturais, a perda acelerada da biodiversidade, a crise de energia, o aquecimento global, a superpopulação, o esgotamento dos solos, a escassez de água doce -- serão resolvidos ainda durante a vida desta geração ou da próxima. A princípio, a aposta é excessivamente otimista. Ainda mais vinda de alguém como o biogeógrafo americano Jared Diamond, que conhece a história do Homo sapiens o suficiente para saber que nós não somos uma espécie lá muito digna de confiança.

Mas o novo livro de Diamond, Colapso _ Como as Sociedades Escolhem Falhar ou Prosperar, que finalmente aporta nas livrarias brasileiras no fim deste mês, está longe de ser um libelo cor-de-rosa. A questão não é se a civilização humana vai sair da sinuca-de-bico ambiental em que se meteu (e às outras espécies, que não tiveram nada com isso), mas como será essa resolução: ela pode vir à moda japonesa, na qual a percepção da tragédia iminente dá lugar a medidas radicais de recuperação e finalmente à superação do obstáculo, à prosperidade e ao desenvolvimento; ou pode vir à moda maia, na forma de peste, fome, guerras e, finalmente, do colapso social.

Colapso é uma espécie de engenharia reversa do último best-seller de Diamond, Armas, Germes e Aço, que explica o triunfo da civilização européia (eurasiática, a bem da verdade) no planeta por razões biológicas e geográficas. Agora, ele se dedica a tentar entendero reverso da moeda --por que as culturas se extinguem. Teve gente que não leu e não gostou. Diamond recebeu uma resenha para lá de mal-informada do vetusto The New York Times. Foi acusado por outros de determinista ambiental (curiosamente, pela mesma turma que pega no pé de sociobiólogos como ele por supostamente pregarem o determinismo biológico). Nada mais longe da verdade. Com todas as deficiências do livro e todos os arroubos de politicamente correto (e algumas vezes de puro etnocentrismo) que contaminam suas páginas, Colapso é, a meu ver, a obra mais importante do ano (again, I may be wrong...). Além de ser um verdadeiro presente para quem curte civilizações perdidas e arqueologia, tem o mérito de tentar trazer a questão ambiental para o lugar que ela sempre mereceu: o centro de qualquer debate sobre o presente e o futuro dos seres humanos.

Logo de cara, o cientista americano afasta qualquer sugestão de "reducionismo", brincando que um título adequado (e invendável) para seu livro seria: Colapsos sociais envolvento um componente ambiental e, em alguns casos, também, contribuições de mudança climática, vizinhos hostis, parceiros comerciais e questões de resposta social. Por um lado, é um guarda-chuva enorme. Por outro, um reconhecimento -- como fica claro no subtítulo -- de que a ruína e a extinção são em última análise opções de uma sociedade.

Diamond divide sua obra em quatro partes. Na primeira, traça um quadro dos problemas que discretamente corroem uma sociedade que à primeira vista é bela e próspera, a do Estado americano de Montana. Ninguém diria, só de olhar, que Montana sofre problemas sérios de esgotamento de solos, salinização, erosão, colapso florestal e poluição de solos e águas por conta de atividade mineradora. Mas esses problemas, argumenta o autor, já fazem com que a atividade agropecuária na região, antes um carro-chefe da economia, seja estrangulada (e sobreviva devido a subsídios).

De Montana Diamond nos transporta a diversas sociedades do passado, que às vésperas de seu colapso também não davam sinais aparentes da tragédia: a Ilha de Páscoa, os maias das terras baixas da América Central, as ilhas Pitcairn, Mangareva e Henderson, no Pacífico, os anasazi do sul dos EUA e os vikings da Groenlândia. Todos esses colapsos tiveram um fator ambiental como determinante (a maior parte das vezes o desmatamento irrefreado, que chegou a inacreditáveis 100% no caso da Ilha de Páscoa), mas poderiam ter sido evitados se houvesse, no linguajar atual, vontade política de seus moradores. Assim, ao mesmo tempo que atribui ao ambiente inóspito da Groenlândia a queda dos assentamentos vikings (que, veja bem, duraram 450 anos), Diamond ressalta que foram os valores da sociedade nórdica, como a preferência por carne de vaca em vez de foca ou baleia, os agentes desse colapso. Afinal, os inuits vivem há mais de mil anos nesse mesmo ambiente, e muito bem, obrigado.

Mas o verdadeiro teste para a abordagem teórica de Diamond começa na discussão de sucessos e fracassos em sociedades atuais. O mais notável desses sucessos é o Japão do período Tokugawa, que levou a cabo (a ferro e a fogo, para parodiar Warren Dean) o maior programa de reflorestamento de que se tem notícia na história da humanidade no século 18, ao se deparar com o esgotamento das florestas do arquipélago. Outros cases são o manejo florestal bem-sucedido na Nova Guiné e na pentelhesimal ilha de Tikopia, na mesma Polinésia que viu florescerem e murcharem Páscoa e Pitcairn, além da história da República Dominicana, um país relativamente próspero (e florestado) que divide a mesma ilha com o ultra-miserável (e desmatado) Haiti. Aos números: 29% das florestas dominicanas hoje estão de pé. No vizinho, esse número é 1%. Ainda entre os fracassos modernos, bastante convincente também é a explicação ambiental de Diamond para o genocídio de Ruanda em 1994.

Finalmente, ao pintar a situação da China e da Austrália, dois gigantes territoriais que estão na pior encruzilhada ambiental de sua história, Diamond projeta o futuro da humanidade, vendo, ao fim e ao cabo, razões para o otimismo (entre elas está o "greening" progressivo e sincero das grandes corporações, a política chinesa de controle de natalidade e a interconexão cada vez maior do planeta pela globalização. Muitos dos seus estudos de caso, lembre-se, são ilhas ou sociedades geograficamente isoladas por algum motivo).

Eu sinceramente espero que Diamond esteja certo em sua esperança. Mas não concordo com ele. O principal problema ambiental da humanidade, a mudança climática, está bem longe de ser resolvido, porque ainda não bateu na bunda dos responsáveis por tomadas de decisão que realmente afetem o planeta inteiro (você sabe de quem eu estou falando). Aliás, belíssima a refutação do autor daquilo que ele chama de "one-liner objections", aquelas frases de uma linha que procuram descartar o problema, como "a tecnologia vai dar um jeito". Em muitos casos, ele passa ao largo do fato de que grande parte dos problemas ambientais do Terceiro Mundo tem sua origem no Primeiro Mundo. Por exemplo, é muito fácil para o Japão manter 80% de suas florestas em pé, sendo o segundo maior consumidor de madeira tropical do planeta. Em certas passagens ele chega ao extremo dessa visão algo ingênua e estereotipada do Terceiro Mundo, que exonera seus leitores (cidadãos do Primeiro Mundo) de culpa, ao afirmar, por exemplo, sobre o desmatamento nos países tropicais: "A razão pela qual a floresta atrás de sua aldeia está sendo cortada é geralmente que um governo corrupto tenha ordenado seu corte apesar de seus protestos, ou que eles tenham assinado com grande relutância um contrato de exploração de madeira porque não viram outra forma de conseguir o dinheiro do ano que vem para seus filhos".

Faria bem ao ilustre autor molhar suas patinhas na lama da Amazônia para perder esse tipo de ilusão.

20 Comments:

Blogger simplicista said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

1:37 PM  
Blogger simplicista said...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

1:45 PM  
Blogger Paranthropus said...

Ele discute isso, sim. Na verdade, a globalização aparece no livro ao mesmo tempo como um potencializador de tragédias e como uma bênção, porque ela também potencializa soluções. Ele diz explicitamente que Páscoa colapsou porque não tinha televisão.

6:09 AM  
Blogger Paranthropus said...

"Censura é ruim, mas às vezes é a melhor forma de proteger a privacidade."
(Governo Federal)

6:23 AM  
Blogger simplicista said...

As armas e os barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca dantes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;

E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando,
E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da Morte libertando
Cantando espalharei por toda a parte
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.

Assim está bom?

12:11 PM  
Blogger simplicista said...

Aliás, este post é mais adequado:
Bolo de fubá
Ingredientes:
- 3 gemas
- 3 claras
- 3 colheres de sopa de manteiga
- 3 xícaras de chá de açúcar
- 1 xícara de chá de farinha de trigo
- 2 xícaras de chá de fubá
- 1 xícara de chá de leite
- 1 colher de sobremesa de erva doce
- 1 colher de sopa de fermento em pó
- 3 colheres de sopa de queijo parmesão ralado.

Modo de preparo:
Bata as claras em neve. Reserve. Bata bem o açúcar, a manteiga, as gemas e a erva doce. Junte a farinha e o fubá. Acrescente o leite aos poucos e o queijo ralado. Bata bastante. Adicione as claras em neve mexa delicadamente. Coloque o fermento. Asse em assadeira untada com manteiga e farinha. Leve ao forno pré-aquecido. Quando o bolo estiver corado, está pronto.

2:31 PM  
Anonymous Anônimo said...

Ainda está muito na cara o que você está falando. A censura vai pegar! Para ser seguro mesmo, tem que ser algo assim:
Comentário:
%*ga* XZ 3u%á
+$yrZX+Z$tZs:
- 3 yZJe1s
- 3 çga1r1s
- 3 ç*ga9ZrZs XZ s*( )1 XZ Je1$tZ+y1
- 3 xíç1r1s XZ ç9á XZ 1çúç1r
- 1 xíç1r1 XZ ç9á XZ 31r+$91 XZ tr+y*
- 2 xíç1r1s XZ ç9á XZ 3u%á
- 1 xíç1r1 XZ ç9á XZ gaZ+tZ
- 1 ç*ga9Zr XZ s*%rZJeZs1 XZ Zrv1 X*çZ
- 1 ç*ga9Zr XZ s*( )1 XZ 3ZrJeZ$t* ZJe ( )ó
- 3 ç*ga9ZrZs XZ s*( )1 XZ /|\uZ+-* ( )1rJeZsã* r1ga1X*.

JE*X* XZ ( )rZ( )1r*:
%1t1 1s çga1r1s ZJe $ZvZ. RZsZrvZ. %1t1 %ZJe * 1çúç1r, 1 Je1$tZ+y1, 1s yZJe1s Z 1 Zrv1 X*çZ. -u$tZ 1 31r+$91 Z * 3u%á. 1çrZsçZ$tZ * gaZ+tZ 1*s ( )*uç*s Z * /|\uZ+-* r1ga1X*. %1t1 %1st1$tZ. 1X+ç+*$Z 1s çga1r1s ZJe $ZvZ JeZx1 XZga+ç1X1JeZ$tZ. Ç*ga*/|\uZ * 3ZrJeZ$t*. 1ssZ ZJe 1ss1XZ+r1 u$t1X1 ç*Je Je1$tZ+y1 Z 31r+$91. GAZvZ 1* 3*r$* ( )ré-1/|\uZç+X*. /|\u1$X* * %*ga* Zst+vZr ç*r1X*, Zstá ( )r*$t*.

3:06 PM  
Blogger Paranthropus said...

Querida Simplicista,

Não fique complexada. Achei muito ruim a transliteração do seu Camões (certamente não foi essa que o Estadão deu durante a censura, deve ter usado "Occidental praia lusitana"), mas a receita do bolo está anotada, pelo que agradeço imensamente. Juro que divido com você.

3:37 PM  
Anonymous Anônimo said...

Este post e os comentários não provam nada, só provam que o censor, o Diamond, os deterministas de qualquer matiz e o anonimato são todos uns filhos da puta.

6:27 AM  
Blogger simplicista said...

Querido Paranthropus,

Perdestes a noitada.

7:31 AM  
Blogger Paranthropus said...

Faltou falar do Curinga e do Richard Dawkins...

10:59 AM  
Anonymous Anônimo said...

Hey, you sure have a great blog here! I'm definiately going to bookmark you!

I have a Best Weight Loss Pills website. It's pretty much all about Best Weight Loss Pills information.

Come and check it out if you get time :-)

11:08 AM  
Anonymous Anônimo said...

Hey, you have a great blog here. I have a blog power website. It pretty much covers everything about blog power. Thanks again!

11:24 AM  
Anonymous Anônimo said...

Dell responds to Jarvis complaints at last
Jeff Jarvis of Buzzmachine has finally forced someone at Dell Computers to turn on a light switch and realize that giving bad customer service to someone with Jarvis' profile is bad for business.
Hi, I just came upon your nice blog.
If you are still a smking person, I suggest you
Stop smoking now Think of your health and stop smoking now.

11:34 AM  
Anonymous Anônimo said...

Hi, you've got a great blog.

I have an Internet Marketing Solution site that covers internet marketing related information.

Come and check it out when you are free :-)

11:48 AM  
Anonymous Anônimo said...

Why the PodShow investment makes sense - at least to me
I have posted about PodShow's funding upon the news "leaking", and nothing I have read, heard or watched since seems to contradict what I sort of guessed: Kleiner Perkins led the round, and invited Sequoia and ...
DishTV California - Feel the need to accessorize your Dishnetwork? We have spare Dishnetwork remote controls and other Dishnetworth items that can be useful for your Dishnetwork. Check out my site, it's all about DishTV California

11:54 AM  
Blogger Marky Brito said...

Primeiro, esse é o único blog com spam que conheço. Segundo, com ou sem determinismo, ler o Diamond é uma viagem muito boa. A primeira vez eu nunca esqueci (foi quase como ler o Dawkins - só que melhor). Faltou só explicar porque o Brazil não deu certo.

12:25 PM  
Blogger Paranthropus said...

O que eu estou fazendo de errado? Deve ter uma conspiração da direita pra pôr spam no meu blog. No mínimo são os mesmos caras que ficam dizendo que tem corrupção no PT.

O Diamond seria perfeito se não fosse anglo-saxão. Mas ser muito bom já é muito bom, né?

1:10 PM  
Blogger Marky Brito said...

Você tem lido Dawkins? Qual sua opinião sobre este rapaz africano e sua "obra"?

1:54 PM  
Blogger Paranthropus said...

Tenho lido o rapaz africano, sim. Aliás, ele JAMAIS se intitularia "africano", porque ele tem horror ao Terceiro Mundo. Pessoalmente, é uma das figuras mais nojentas que eu conheço. Mas a prosa dele é irresistível. Claro, ele cometeu alguns exageros sobre o papel do gene como alvo de seleção, mas vários fenômenos descobertos recentemente, como imprinting genômico, têm servido para vingá-lo. Essa coisa dele extremamente intolerante com religião também me irrita, às vezes.

9:30 AM  

Postar um comentário

<< Home