Ideias antigas

Fósseis, árvores, minorias, filhos e outras coisas fora de moda

Minha foto
Nome:

Apenas uma relíquia do Plioceno...

terça-feira, fevereiro 03, 2009

A culpa é do Collor, de novo

LEIO NA BBC que o Irã lançou hoje, com um foguete próprio, seu primeiro satélite próprio. Ele se chama Omid ("esperança") e foi lançado a bordo de um foguete Safir-2, segunda geração de foguetes iranianos.

Examinemos a questão: o Irã é uma república islâmica fundamentalista, que vive mais ou menos na Idade Média e que costuma punir com degolação ou apedrejamento qualquer um que duvide que pessoas recebem conselhos de arcanjos tipo on a daily basis ou que as mulheres devam ser mantidas presas dentro de casa e em silêncio. Seu maior produto de exportação é cinema ruim.

Eppure, o Irã tem um programa espacial com foguetes e satélites. Não precisa fazer "acordos de cooperação" para usar foguetes chineses (achando que isso é o máximo), nem pagar o mico de ver seu programa mal-ajambrado e mal-financiado de foguetes empacado por 20 anos e causando um dos piores acidentes da história da exploração espacial sem nunca ter ido ao espaço. Não precisa se humilhar diante de meia-dúzia de quilombolas que não aceitam (com razão) a grilagem de suas terras para construir base para foguetes estrangeiros.

Enfim, o Irã domina a tecnologia da bomba V2. Nós não. E por quê? Porque o Irã tem um objetivo claro: quer o aniquilamento nuclear do Ocidente. Quer destruir o império americano. Quer impor a lei de Maomé na base do plutônio.

O Brasil lançou literalmente uma pá de cal sobre seu programa nuclear em 1991. A culpa é de Fernando Collor de Mello. O mesmo homem que mergulhou o país na lama ética e nos deu Itamar Franco (do qual felizmente estamos livres) e Renan Calheiros (do qual estamos cada vez MENOS livres). Ao vetar a bomba secreta dos milicos, Collor também condenou nosso programa espacial.

Põe mais essa na conta.

2 Comments:

Anonymous Jan said...

Cruzes! Achar que quilombolas têm direito à terra 'deles' é o mesmo que achar que o MST tem direito às terras 'improdutivas' para seus benfazejos assentamentos. Se bem que dá na mesma. Vou também lutar por propriedades agrícolas paulistas, visto o cruel padecimento de meus compatriotas europeus quando vieram trabalhar nos cafezais de São Paulo...

Como disse um envolvido, melhor deixar plantar mandioca do que manter uma base de foguetes num dos melhores pontos do planeta para tal, não é mesmo?

8:56 AM  
Anonymous Paranthropus said...

Jan, os quilombolas têm direito constitucional às terras deles. Se você não está feliz com isso, vá reclamar com a Constituição. A dicotomia mandioca/foguetes é falsa (Alcântara tem um centro de lançamentos plenamente funcional), e talvez se os militares tivessem reconhecido desde o início o direito dos quilombolas sobre essas terras teria havido uma negociação benéfica para todos. Mas eles resolveram simplesmente invadir o local. Não sou fã da maioria dos quilombolas, mas esse seu argumento é perigoso e meio racista, e pode ser usado para justificar uma porção de barbaridades (melhor pecuária do que caça e coleta, melhor mineração de ouro do que pesca indígena, e por aí vai).

12:28 PM  

Postar um comentário

<< Home