Ideias antigas

Fósseis, árvores, minorias, filhos e outras coisas fora de moda

Minha foto
Nome:

Apenas uma relíquia do Plioceno...

segunda-feira, abril 18, 2005

How the redneck got his tune: a just-so story

OBSERVO NO TRABALHO que existe um método infalível para reconhecer um caipira: basta alguém começar a cantar uma música. O caipira de verdade acompanhará, mas cantando na quinta. Não importa que música seja; o intervalo sempre será o mesmo.

Um amigo de São Carlos postula que, num passado evolutivamente significativo, os caipiras homens eram todos afinados e não cantavam na quinta. Uma mutação no gene Caip5 (uma transposição de trítono, digo, tripleto, para a posição 5 na seqüência) em alguns indivíduos fez com que certos caipiras começassem a cantar sempre transponto o tom para a quinta, o que aparentemente aumentou seu sucesso reprodutivo. Assim, com o tempo, a freqüência do gene Caip5 aumentou a ponto de ter se tornado dominante na população masculina caipira.

Mudanças biogeográficas fizeram com que o isolamento reprodutivo dos mutantes Caip5 cessasse, o que passou a espalhar a forma alterada além da região limitada a leste por Campinas e Piracicaba, a oeste por Campo Grande, a norte por Goiânia e a sul por Londrina. Num caso curioso de especiação simpátrica, no entanto, a maior parte dos indivíduos do sexo feminino fora da área original parece não se interessar pelos mutantes Caip5. Felizmente.

2 Comments:

Blogger Central Desinformativa said...

Engraçado. Eu tenho impressão que eles cantam em terça, mas preciso confirmar isso.

De qualquer forma, não invalida sua teoria.

Sugiro um estudo mais abrangente, que vá além do gene Caip5, para explicar por que o sujeito que canta a nota mais grave da melodia sempre morre primeiro (Leandro e Leonardo, João Paulo e Daniel, etc). Talvez um mapeamento de SNP dê alguma dica. Acho que justifica pedidos de exumação para coleta de DNA.

10:19 AM  
Blogger Paranthropus said...

TERÇA! Você tem razão! Acho que o meu caipira aqui tem uma SNP no gene mutado, além da transposição. O que eu ouvi aqui ontem era uma quinta, ou meu ouvido está estragado (bem capaz, acontece com a idade).

10:23 AM  

Postar um comentário

<< Home