Ideias antigas

Fósseis, árvores, minorias, filhos e outras coisas fora de moda

Minha foto
Nome:

Apenas uma relíquia do Plioceno...

segunda-feira, dezembro 05, 2005

Caiu!

AGORA É OFICIAL: o desmatamento em 2004-2005 caiu 31% na Amazônia, segundo o Inpe. Viva Marina Silva. Ou melhor: viva Paulo Lacerda, capo da Polícia Federal. Foram os tiras, afinal, não o plano um-quarto-de-bomba da Casa Civil (chefiada, quando de sua implementação, pelo "superministro" José Mensalão Dirceu, que estava ocupado demais tentando dominar o mundo para prestar atenção em mato queimando), os grandes responsáveis pela queda na taxa.

Aliás, "queda", aqui, deve ser lida com cautela. Afinal, 18,9 mil km2 são km2 pra caralho. É mais do que se registrou em todo o segundo reinado de FFHH, antes do salto para o patamar dos 20-mil-ish de 2001-2002.

3 Comments:

Anonymous Daniel Doro Ferrante said...

[Talvez] ainda na linha "Tim Burton", só tenho uma coisa a dizer: "Estamos otimistas, celebrando a merda; porque os pessimistas estão achando é que vai faltar merda!"

Perderam o controle de tudo e, agora que parece se estar retomando algo que possa ser qualificado como "controle", estamos celebrando... "assim caminha a humanidade"... pra cada passo pra frente, vêm 10 pra trás.

Não me entenda mal, eu estou contente com a vitória, afinal tem vezes em que qualquer "empate" é vitória mas...

Foi mal Paranthropus, acho que é a chegada firme-e-forte do inverno. ;)

6:22 AM  
Anonymous Anônimo said...

Não importa se o desmatamento foi reduzido. O que importa é você ainda ter que conviver com um Ibama 99,99% podre e um Ministério do Meio Ambiente lerdo, atrapalhado e sem consciência do tamanho da Amazônia.

Fora isso, a crise no setor agropecuário foi pra lá de responsável pelo afrouxamento do nó da forca da floresta. Além disso, os madeireiros também enfrentam uma crise braba com os preços baixos da madeira. Só se deu bem quem vendeu para o mercado interno. Só se fala nisso em Novo Progresso.

Um bom exemplo de política de incentivo oficial ao desmatamento é a facilidade para se conseguir uma licença de desmate. Com um cartão de assentamento o cara pode descer o mato abaixo. Ao contrário, a dificuldade de se aprovar um plano de manejo florestal decente é infinitamente superior. Quem quiser comprovar é só ir no Ibama e dar entrada nos dois processos. Fácil, fácil. E porque um bom jornalista também não vê isso?

O Dirceu era o cara responsável por todas as comissões para o meio ambiente da casa civil. Não deve ter participado de nenhuma delas, ocupado como era na tarefa de implantar o sonho petista (seja lá qual for).

Tomador de Tacacá

5:45 PM  
Blogger Paranthropus said...

Comedor de pupunha,

Concordo com você sobre o papel da crise do agronegócio. Mas fiz essa pergunta recentemente ao povo do Imazon e, para meu espanto, eles dizem que o efeito "rota na rua" foi mais importante que o efeito econômico.

Para MT, eles desagregaram a curva (de um jeito não muito científico, admitem, mas mesmo assim bom como termômetro) e viram que a queda da soja no mercado externo só responderia por 23% da redução absurda de MT em junho, que foi tipo 92%. O resto foi o susto da Curupira. Tanto que no mês seguinte, apesar de choro e tratoraço, os caras voltaram a meter o correntão por lá.

O que você diz do Dirceu, temo, vale também para a Dilma, que não é corrupta, o que já é uma grande coisa, mas também não está nem aí para o peixe-boi.

Ah, e obrigado pela dica!
;-)

5:41 AM  

Postar um comentário

<< Home